Conecte-se Conosco
 

Distrito Federal

Presa por xingar enfermeira de “negrinha”, servidora já cometeu o mesmo crime pelo menos 14 vezes

Publicado

em

Racista com enfermeira negra, mulher já cometeu injúria contra gari e porteiro, além de destratar recepcionistas

Matéria de Alan Rios, Carlos Carone e Mirelle Pinheiro / Metropoles
Ana Elizabeth Avelino Caldas (foto em destaque), 71 anos, presa em flagrante na segunda-feira (10/7) após proferir uma série de injúrias raciais contra uma enfermeira negra em um hospital do Lago Sul, acumula denúncias de crimes de racismo. O histórico policial da idosa traz casos nos quais ela ofendeu uma gari com gritos de “porca”, “imunda” e “lixo”, e disse que não seria atendida “por uma preta” em uma lanchonete. Ainda há registros em que a suspeita xinga um porteiro de “preto fedido, asqueroso e inútil”.
Ela está em liberdade provisória após ter sido presa no hospital onde chamou a enfermeira de “negrinha” e afirmou que a funcionária “não servia nem para ser enfermeira de UPA de casebre”. Em um dos casos em que Ana Elizabeth foi levada à delegacia, em 2019, a Polícia Civil destacou no registro que ela “possui 28 ocorrências, sendo que em 14 é apontada como autora de fatos similares, possuindo diversos indiciamentos”
Vítimas relataram, ainda, que a mulher, servidora aposentada do Banco Central, tem costume de frequentar estabelecimentos apenas para ofender funcionários. Um desses locais é o endereço antigo de trabalho. Em 2008, 2009 e 2010, ela foi acusada de crimes bem semelhantes de perturbação da tranquilidade. Em ambas as datas, testemunhas disseram que ela “tentou se valer do fato de ser servidora concursada para humilhar funcionários”, principalmente terceirizados, acusando-os de furto, inclusive. “Vocês não têm direito de se sentirem ofendidas. Primeiro têm que passar no concurso para se dirigir a mim”, disse Ana, segundo as vítimas. Já em 2015, ela xingou e atacou uma gari que usava o banheiro de um supermercado do Lago Sul. “Você é uma imunda, que não passa de um lixo! Por isso que está nesse serviço”, teria dito, segundo a funcionária da limpeza. Ana Elizabeth teria até partido para a agressão contra a vítima, e acabou se trancando no banheiro para evitar a prisão. Depois de horas de negociação, foi preciso imobilizar a aposentada e aplicar fortes calmantes no hospital.

Racismo

Crimes de injúria e discriminação racial também se repetem na ficha da idosa. Em 2017, ela xingou um agente de portaria terceirizado de “preto fedido, asqueroso e inútil”, além de acusá-lo de ter roubado uma bolsa, que teria esquecido no banheiro. Dois anos depois, em uma rede de fast food, Ana exclamou: “Não quero ser atendida por uma preta. Quero ser atendida por uma branca”. Em abril deste ano, no mesmo hospital onde ela foi racista com a enfermeira negra, outro caso semelhante. Funcionários registraram a ocorrência relatando que Ana começou a desmoralizar o ambiente, aos gritos, falando que o local era ruim, que nada ali prestava, incomodando os outros pacientes. Questionada, ela destratou os profissionais, com racismo, homofobia e dizendo até que eles eram “peões”, e que o salário de uma vítima “não chegava aos pés do valor que ela paga aos três planos de saúde que tem”.

Audiência de custódia

Em audiência de custódia nesta terça-feira (11/7), a Justiça do Distrito Federal concedeu liberdade provisória à idosa, sem o pagamento de fiança, após avaliar que ela tem diagnóstico de transtorno bipolar desde 2004 e está em surto psicótico, não conseguindo se conter e conversar na audiência. Em razão disso, ela chegou a ser encaminhada para atendimento psicossocial e sua oitiva foi dispensada. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) se manifestou pela regularidade do flagrante e, em seguida, pela liberdade provisória com imposição de medidas cautelares diversas da prisão. A Justiça acompanhou as recomendações do MPDFT e verificou que a prisão em flagrante não tinha nenhuma ilegalidade. A decisão indicou: “O fato é concretamente grave e a prisão inicialmente se mostra necessária. No entanto, a autuada é primária e de bons antecedentes, não há condenações, possuindo 71 anos e nunca ter se envolvido com nenhuma prática delitiva”. Ainda assim, a idosa está proibida de ter contato ou de se aproximar das vítimas. A mulher está envolvida em outros processos na Justiça do DF. São casos relativos à injúria, difamação e ao pagamento de indenização por dano moral. Todos estão ainda na 1ª instância.


Descubra mais sobre TV Criar Entretenimento

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Continue Lendo

Descubra mais sobre TV Criar Entretenimento

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading

Iniciar Conversa
Oi, Sejam bem vindo(a) a nossa TV!
Olááá! Obrigado por assistir a TV CRIAR !!!