Conecte-se Conosco
 

Emprego em Alta 2024

Piloto de drone é uma das profissões em alta em 2024; veja como são as oportunidades no agro

Publicado

em

Piloto de drones é um dos cargos que estará em alta em 2024, segundo uma pesquisa divulgada pelo Linkedin, que classificou as profissões que cresceram de forma acelerada nos últimos cinco anos.

A agricultura apareceu como um dos setores mais comuns onde se encontram essas oportunidades, que, basicamente, oferecem vagas em duas áreas (algumas empresas vão exigir que um mesmo piloto cumpra ambas as funções):

na pilotagem e configuração de drones pulverizadores, que aplicam agrotóxicos, defensivos biológicos, sementes e adubos nas plantações;

na condução de drones que mapeiam as lavouras para que, dessa forma, a fazenda consiga planejar a colheita, prever rendimento e perdas, além de detectar pragas e doenças.

📚 Mas é preciso estudar…

Na área de pulverização, o piloto precisa, obrigatoriamente, ser aprovado no Curso de Aplicação Aeroagrícola Remota (CAAR), onde ele vai aprender a configurar drones e a manusear agrotóxicos (saiba tudo mais abaixo);

Já os profissionais de mapeamento costumam ter graduação em Agronomia, Geologia, Engenharia Civil e Florestal.

➡️Quem emprega? Fazendas, usinas, empresas de máquinas agrícolas e de aplicação de agrotóxicos.

➡️Como são os contratos? O profissional pode ser autônomo ou empregado. Há empresas que contratam pilotos por tempo indeterminado, incorporando-os em seu quadro de funcionários. Outras preferem contratar temporários ou prestadores de serviços.

➡️Quanto ganha? Por ser uma profissão recente e ainda pouco regulamentada, a média salarial do piloto de drone agrícola varia muito, indo, em média, de R$ 2 mil a R$ 10 mil.

“As vagas que pagam mais são vagas ‘premium’, que exigem mais formação dos pilotos”, relata Josué Andreas Vieira, agente de Desenvolvimento Regional do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag).

“O problema é que a maioria das pessoas não tem formação suficiente para alcançar esses cargos com salários mais altos. Tanto é que está faltando piloto no mercado”, ressalta Vieira.

Entrevistas do g1 com profissionais do setor apontaram diferentes remunerações ⬇️.

De R$ 2 mil a R$ 3 mil fixos, com uma comissão de 5% a 10% sobre hectare pulverizado, segundo donos de empresa e pilotos consultados pelo Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag);

De R$ 5 mil a R$ 7 mil, com comissões por hectare que, no final do mês, podem proporcionar uma remuneração total de R$ 10 mil, de acordo com consultas a alunos feitas pelo Instituto de Tecnologia Aeronáutica Remotamente Controlada (ITARC);

De R$ 5,5 mil a R$ 9 mil, segundo a Recrutadora Robert Half, com base nas vagas fechadas e em andamento na empresa.

A seguir, você vai ler…

Onde está a demanda por pilotos;

Como trabalhar com pulverização;

Como é o curso obrigatório de aplicador agrícola.

🧑🏾‍✈️️Onde está a demanda por pilotos

Vieira, do Sindag, diz que a maior demanda do mercado brasileiro, hoje, está na área de pulverização.

“Já existem muitas empresas que fazem o serviço de mapeamento. Mas ainda não tantas capazes de realizar uma pulverização que seja compatível com esse mapeamento, sabe?”, explica o integrante do Sindag.

Contudo, há exceções. “Na nossa região, o mapeamento está crescendo mais que pulverização”, conta o piloto João Eder Naimeg, que trabalha no município mineiro de Patrocínio (MG), onde há muitas lavouras de café.

“Uma coisa que acontece muito aqui é que, como a região não é muito plana, o produtor planta, fica esperando a chuva e, quando ela vem, leva tudo”.

Neste caso, o mapeamento consegue gerar, por exemplo, imagens e dados capazes de evitar esses desastres, simulando fatores como nível chuvas e altitude do terreno.

“Ao simular as chuvas, a gente faz curvas de nível ou terraços para evitar a erosão, o escoamento das sementes”, explica.

🥽Como trabalhar com pulverização

Pode parecer óbvio para alguns, mas, para trabalhar nessa área, não adianta só saber pilotar o drone (algumas vezes, o profissional nem pilota e você vai entender por que mais abaixo). O que é exigido mesmo é que ele entenda de agronomia e, principalmente, sobre os cuidados no uso e manuseio dos agrotóxicos.

Em 2021, o Ministério da Agricultura publicou uma portaria exigindo que o aplicador de agrotóxicos via drone:

seja aprovado num Curso para Aplicação Aeroagrícola Remota (CAAR) que seja homologado pelo Ministério da Agricultura, e ofertado por uma escola que esteja registrada no mesmo órgão;

tenha uma frequência mínima de 80% e nota superior a 7 na prova do CAAR;

seja maior que 18 anos;

auxilie e acompanhe o piloto durante as operações com drone de pulverização.

Ou seja, a normativa não exige que o profissional com CAAR seja o piloto do drone ou saiba pilotar um, mas, na prática, o mercado tem se direcionado para cobrar dos profissionais as duas funções.

“Como a norma estipula que esse profissional deve estar presente no campo durante as operações, algumas empresas acabam direcionando os pilotos de drone para realizar esse curso”, disse o Ministério da Agricultura ao g1. “É importante acrescentar que a norma permite que o piloto acumule ambas as funções”, complementa.

Apesar de tantos detalhes, nem sempre as operações tomam o cuidado devido.

“Na verdade, o que ainda é muito comum é você encontrar pessoas trabalhando com o drone sem essa certificação do Mapa e, inclusive, sem curso de drone”, critica Calixto.

“É por isso que um dos nossos trabalhos é criar conscientização. Todo o desenvolvimento do mercado vai depender da seriedade com a qual estamos levando essa atividade”, acrescenta o coordenador de treinamento.

O piloto de pulverização Adrien Michelmann, de 26 anos, é um dos que levam a sério essa nova profissão. Além de ser formado em Técnico de Agricultura de Precisão, ele foi aprovado no CAAR, e conta que a empresa onde trabalha exigiu tanto essa habilitação do Ministério da Agricultura, como o conhecimento da pilotagem.

“Eles exigiram isso até porque o equipamento é muito caro e você não pode deixar ele cair”, conta Michelmann, que trabalha em uma usina de cana-de-açúcar, no município de Novo Horizonte (SP).

Além da pulverização, ele também faz o mapeamento das plantações para saber em qual área exatamente o agrotóxico deve ser aplicado.

➡️Como é o curso para aplicador agrícola

A exigência do Ministério do curso de aplicador é importante porque qualquer pulverização errada ou o não uso equipamentos de proteção podem levar a perdas ambientais, na produção, além de intoxicação humana.

É por esse cuidado que a maior parte da grade curricular dos cursos de CAAR é sobre os agrotóxicos. Há matérias obrigatórias sobre a legislação desses produtos químicos, a preparação deles, toxicologia e ecotoxicologia de cada um, uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), entre outras.

Calixto explica que há também aulas sobre como funcionam os drones, mas reforça que o foco principal é o especialista ter base para parametrizar (ou seja, configurar) o equipamento para que ele faça a aplicação da forma mais segura possível.

“O aplicador precisa aprender, por exemplo, qual é o melhor tamanho das gotas que serão dispersadas, a altura ideal que o drone deve ficar de acordo com a velocidade e direção do vento. Então tem algumas técnicas que vão envolver mais um conhecimento agronômico que de pilotagem”, ressalta.

O geólogo Reinaldo Baldotto é um dos profissionais que está realizando curso do CAAR. Ele conta que outras matérias obrigatórias tratam do preparo da calda do agrotóxico, dos fatores meteorológicos que influenciam nas aplicações, além da legislação e dos componentes de um drone de pulverização.

Ele, que é assessor da presidência do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia no Espírito Santos (CREA-ES), já tem formação na área de mapeamento, mas quer agregar a área de pulverização por entender que essa é uma área em crescimento.

Para isso, ele tem buscado mais especialização. “Terminei recentemente o mestrado em Agroquímica Ambiental, onde estudei as condições dos solos e métodos de correções, então com o curso de Aplicador Aeroagrícola consigo estar apto às aplicações”, conta.


Descubra mais sobre TV Criar Entretenimento

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Continue Lendo
Clique Para Comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma resposta

Descubra mais sobre TV Criar Entretenimento

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading

Iniciar Conversa
Oi, Sejam bem vindo(a) a nossa TV!
Olááá! Obrigado por assistir a TV CRIAR !!!