Conecte-se Conosco
 

Brasil

Escolas públicas: projetos contra discriminação caem para menor nível em 10 anos

Publicado

em

Levantamento divulgado pela ONG Todos pela Educação nesta segunda mostra panorama das escolas identificado pelo Saeb

Materia de Mariah Aquino / Metropoles
O número de escolas públicas com projetos para combater discriminações como racismo, machismo e homofobia caiu ao menor patamar em dez anos. Enquanto em 2011 66,7% das instituições de ensino apresentavam ações contra o racismo, em 2021 o número caiu para 50,1% das escolas.

Os dados são de novo levantamento divulgado pela ONG Todos pela Educação nesta segunda-feira (24/7). A instituição extraiu as informações dos questionários contextuais do Sistema Nacional de Avaliação Básica (Saeb) destinados a diretores e diretoras escolares, entre 2011 a 2021.

O Saeb usou uma pergunta para questionar sobre projetos relacionados ao combate do racismo e outra sobre a existência de iniciativas contra o machismo e a homofobia. Projetos contra o racismo estavam em 66,7% das escolas públicas em 2011. Houve crescimento até 2015, quando atingiram o auge, presentes em 75,6% das instituições de ensino. Desde então, os números caíram até a última pesquisa, feita em 2021, quando apenas 50,1% das escolas responderam positivamente.
Já as iniciativas de combate ao machismo e à homofobia estavam presentes em 34,75 das escolas em 2011. O cenário é semelhante ao anterior, e o maior número também foi registrado em 2017: 43,7% dos colégios públicos tratavam o tema. Em 2021, projetos contra estas discriminações foram encontradas em apenas 25,5% das escolas do país.

Motivos

Daniela Mendes, analista de Políticas Educacionais do Todos pela Educação, enxerga dois elementos que contribuíram para a queda: “Primeiro, uma onda ultraconservadora que fez com que pautas relacionadas a desigualdades e grupos menorizados tivessem menos espaços no debate e no enfrentamento”, explica. Ela relembra, ainda, que o tema não era priorizado pela gestão anterior do Ministério da Educação (MEC), durante o governo Jair Bolsonaro (PL). O segundo aspecto foi a pandemia da Covid-19: “Já foi um grande desafio para os professores garantir a oferta de educação de forma remota, nem todos os estudantes conseguiam ter acesso. Esses projetos foram despriorizados por questão de contexto”, continua. “Quando a escola não pauta questões raciais, de gênero e da comunidade LGBTQIA+, ela falha no processo de aprendizagem e na construção de uma sociedade melhor para todos com menos violência”, ressalta Daniela. A analista pontua, porém, que as ações não devem ser pontuais, aplicadas apenas em situações como o mês da mulher, da consciência negra e do orgulho LGBTQIA+. “Essas pautas precisam ter transversalidade ao longo de toda a rotina escolar, ser incluídas no currículo escolar, na formação de profissionais da educação para que os professores saibam incluir esses temas nos conteúdos trabalhados na sala de aula e na elaboração de material didático, para tirar a imagem estereotipada desses grupos sociais”, finaliza.


Descubra mais sobre TV Criar Entretenimento

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Continue Lendo

Descubra mais sobre TV Criar Entretenimento

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading

Iniciar Conversa
Oi, Sejam bem vindo(a) a nossa TV!
Olááá! Obrigado por assistir a TV CRIAR !!!